segunda-feira, 27 de abril de 2009

Açores com o dobro das gravidezes na adolescência


Haverá razões socio-culturais. Há. Isto não está forçosamente relacionado, em todos os casos, com situações de pobreza. É verdade. Sei até que se tratam, em muitos casos, de opções conscientes, que respeito.

Mas há um factor, causa e efeito, que está intimamente relacionado com todas as gravidezes adolescentes: o abandono escolar, questão que já abordei aqui.

Esse é o problema de fundo que tem ser enfrentado. Não basta o prolongamento artificial da escolaridade obrigatória, ao mesmo tempo que se mantém a idade mínima para trabalhar apenas nos 16 anos.

Não basta fazer umas campanhas de sensibilização modernaças, é preciso criar as condições para que as qualificações dos nossos jovem sejam valorizadas, do ponto de vista da sua carreira profissional e remunerações. Especialmente das jovens mulheres, que são as primeiras vítimas da precariedade e baixos salários e que, como tal, menos estarão interessadas em adquirir qualificações. Para que as suas escolhas possam ser livres e conscientes.

3 comentários:

Anónimo disse...

Não acho que seja um Grande problema como foi falado na apresentação hoje pela manhã no solar dos remedios. Como alguém disse e muito bem, não estamos perante uma gravidade já que todos nós temos antepassados que tiveram filhos com 13/14 anos. É uma situação cultural e não de senso. Também o rendimento minimo poderá ajudar já que, recebendo algum dinheiro, quantos mais filhos mais recebe e não devia ser assim.

Tiago R. disse...

Você conhece alguém que tenha resolvido engravidar para poder receber o rendimento mínimo?

Acha que alguém no seu perfeito juizo faria isso?

Anónimo disse...

Realmente conheço :(, pelo menos dois casos que engravidaram porque o dinheiro que recebem ajudam nas despesas de casa dos pais, tambem eles do rendimento minimo...infelizmente