segunda-feira, 20 de abril de 2009

a coragem, a vergonha e a falta dela

Merece aplauso a coragem de Ban-Ki-Moon ao afirmar na Conferência de Durban sobre o Racismo e a Xenofobia, que "a Islamofobia também é racismo."

Ao dizê-lo, põe-se corajosamente ao lado dos povos que têm sido demonizados, explorados, oprimidos, e demonstra porque é que a ONU ainda é a instância mais progressista na cena internacional e o único espaço capaz de construir soluções reais de paz e cooperação no mundo.

Outra palavra para a vergonha que cobre os governos dos Estados Unidos (Obama, sim), Itália, Austrália, Alemanha, Holanda, Nova Zelândia, Canadá e Israel, que boicotaram esta iniciativa da ONU. É que se as opiniões de Ahmedinajad merecem crítica, a tentativa de sabotar uma iniciativa internacional sobre uma questão tão importante como esta, merece-a ainda mais.

Sem palavras: a falta de vergonha dos representantes da União Europeia (muito me orgulha que Durão Barroso seja português!) que não tiveram a coragem de boicotar a Conferência, mas acabaram por abandoná-la, numa atitude verdadeiramente indescritível.

Eu não boicoto. Veja o site da Conferência.

Sem comentários: