quarta-feira, 15 de abril de 2009

deprimente


Os dados do Estudo Sobre o Rendimento Escolar no Nível Secundário de Educação, da Secretaria Regional da Educação apresentam números verdadeiramente deprimentes.

Abandono escolar de 31% nos cursos Científicos e Humanísticos e de 47% nos cursos tecnológicos e, ainda, elevadas taxas de insucesso em ambos os casos.

A questão é de fundo e não é nova: Enquanto a perspectiva que damos aos jovens for a do trabalho precário, mal pago, sem segurança, ou a do "estágio eterno", será sempre mais tentador ingressar mais cedo no mercado de trabalho.

Apesar das declarações grandiloquentes dos nossos governantes sobre a qualificação dos portugueses e sobre a "sociedade do conhecimento", a verdade é que a maior parte dos empregadores procura é trabalhadores não qualificados, que possam manter, sem grandes queixas, em permanente situação precária, ou que possam substituir com facilidade, chegando até a recusar gente, por "excesso de qualificações".

E a legislação laboral abre-lhes todas as portas para agirem assim. Basta pensar, por exemplo, na extensão desmesurada do período de experiência para os trabalhadores recém-contratados, consagrada no Código do Trabalho.

Os jovens sabem tudo isto muito bem. Sentem-no na pele. Assim, para quê estudar?

1 comentário:

Paulo Pereira disse...

Concordo com o diagnóstico. É preciso fazer melhor e aceitam-se sugestões.
Ó Tiago, essa de os patrões terem sempre a culpa...
Olhe, até temos mais sociedade de conhecimento nos EUA, japão, etc, e as leis...
Que tal se houvesse incentivos para os jovens licenciados criarem as suas empresas.
É só uma ideia...