domingo, 24 de maio de 2009

85.000

A CDU inaugurou ontem, de maneira espectacular, uma nova forma de campanha política, nunca antes realizada em Portugal, que reuniu em Lisboa, de acordo com os números dados pela comunicação social, mais de 85.000 pessoas.

Este formato de acção de campanha permite potenciar o que a CDU sabe fazer melhor: juntar as pessoas, mobilizá-las em torno de causas. E, também do ponto de vista político, deu um sinal muito preocupante para José Sócrates. Ali estavam dezenas de milhares de pessoas dispostas a darem o passo seguinte, necessário e consequente, na demonstração de descontentamento contra a sua política: apoiar a CDU e continuar com o seu voto os protestos que têm juntado muitas centenas de milhares de pessoas de todo o país.

A CDU irá ganhar o voto de todas as pessoas que têm participado nas manifestações? Provavelmente não. Mas tem o mérito de recolocar na agenda política o poder das ruas, a soberania das multidões, que são a base da nossa democracia. Esta é que é a verdadeira sondagem.

Há mais algum partido, coligação ou coisa híbrida que consiga fazer o mesmo?

Veja também as fotos da Marcha.

4 comentários:

Miguel disse...

A reportagem CDU já está online, aqui. Parece-me muito bom este jornal de campanha.

Abraço

Tibério Dinis disse...

As manifestações de rua do PCP são mesmo brutais, é incrivel o poder de mobilização. O PCP nunca conseguiu foi estabelecer uma ponte entre esta força de rua e a força nas urnas. O PCP consegue mobilizar as pessoas para contestarem, mas não consegue mobilizar para votarem no partido, é estranho, mas não deixa de ser fantástica a capacidade do partido em mobilizar pessoas.

Haja Saúde

Tiago R. disse...

Tem toda a razão. Por isso esta estratégia de integrar as mobilizações de rua na campanha eleitoral parece-me inteligente, pois pode permitir uma maior correspondência entre a influência social e a influência eleitoral.

Tibério Dinis disse...

Sim, é mais fácil transitar o poder de rua para as urnas, do que o contrário.