sexta-feira, 5 de junho de 2009

festas e bolos…amargos


As Festas do Divino animam o corpo e a alma. Ei-las em força por essas ilhas a atirar com as amarguras para trás. Mas, nos tempos que correm, assim que uma se atira, logo outra nos aparece pela frente. Lá vem mais uma notícia para escangalhar: no primeiro trimestre de 2009, segundo o INE, 55,3% dos trabalhadores por conta de outrem nos Açores receberam menos de 600 euros líquidos por mês. No país esta percentagem (ainda muito grande, diga-se) reduziu-se para 40,6%! Não me venham então dizer que a crise é igual para todos…basta ir até Espanha, onde o salário mínimo é de 666 euros, para verificarmos o quanto estamos convergindo (?) com os continentais ou com nuestros hermanos.

E, curioso, são estes bombos que, mesmo debaixo de uma tal condição, vão alimentando, além das suas, outras festas maiores (e alheias) para erguer monstros urbanos que cercam a sua cidade e lhes tiram o mar, num conluio de poderes que já alguém classificou como o maior hiato da democracia: a urbanização. Tudo de acordo com a lei, está bem de ver. Pois nem tanto nem tão pouco, com a chancela do senhor Secretário Regional da Economia, importou em mais 15 000 salários dos tais que referimos - 8,99 milhões de euros, a quantia atribuída pelo Governo Regional, em 18 do mês que passou, à Sociedade responsável pela arrojada construção daquela maravilha da arquitectura e do urbanismo que dá pelo nome de Casino, erguida lenta mas persistentemente sobre os escombros da velha Calheta de Pêro de Teive. Será provavelmente esta a Europa que querem construir nos Açores, mas o certo é que alguém já começou a jogar (e a perder), mesmo antes da inauguração oficial duma tal instituição (decretada) de utilidade pública…

E dos bombos, passamos a uma qualidade nova do paladar dos açorianos que vai ser testada nesta semana de festas, amarguras e eleições, a saber: Como devorar com prazer bolos confeccionados sem açúcar com “farinha do mesmo saco”? Parece uma ideia peregrina, de difícil aceitação, mas, na nossa imprensa, há quem assim não pense e, com toda a descontracção de quem sabe o que está dizendo, a descreva da seguinte forma: “…O argumento de que o cabeça de lista do PS às europeias não é propriamente um autonomista, é verdadeiro. Porém, neste particular, nada o distingue de Paulo Rangel…são ambos farinha do mesmo saco. Resta aos açorianos votarem em função dos candidatos regionais…”(sic).

“Resta”, senhor Nuno Tomé? A escolha fica por aí? Se os açorianos votarem nos candidatos regionais, o amargo desaparece? Deixam de votar nos cabecilhas top-centralistas Vital e Rangel? Lá porque possam ser bons os ovos ou a manteiga, não há outro remédio senão comer o bolo, mesmo amargo, do centralismo em cada fatia? Não há mais forças políticas autorizadas a concorrer, votos nulos, em branco, ou gente que quer passar longe de tal iguaria?

Das duas uma, ou a vista alcança pouco, ou a Democracia é uma batata. Julgo que não estarei, também eu, iluminado por ideias peregrinas se afirmar que, na semana do Espírito Santo, a dieta de emagrecimento da Autonomia Regional só é seguida por quem quer…Ou estarei?

Mário Abrantes

Sem comentários: