quinta-feira, 25 de junho de 2009

influência

Ilda Figueiredo foi re-eleita Vice-Presidente do Grupo Parlamentar da Esquerda Unitária Europeia (GUE-NL)

E Luís Paulo Alves? E Maria do Céu Patrão Neves? Serão mais que meras sombras apagadas, desconhecidas mas obedientes às disciplinas das respectivas bancadas parlamentares? No fundo, o que é que pesam? O que é que influenciam?

4 comentários:

Sérgio Santos disse...

O movimento Pró-voto, movimento apartidário criado por um grupo de alunos da licenciatura em Estudos Europeus e Política Internacional da Universidade dos Açores, vem convidar o(s) autor(es) deste blog e todos aqueles que por aqui passam para estarem presentes no debate subordinado ao tema “Da abstenção ao voto obrigatório”, que se vai realizar na próxima segunda-feira dia 29 de Junho, pelas 9:30 no anfiteatro B da Universidade dos Açores.

Para mais informações, vão a: www.movimento-pro-voto.blogspot.com

Tiago R. disse...

Apesar de, como já escrevi, a discussão do voto obrigatório ser um perfeito disparate e achar que é redutor reduzir a discussão a estes dois polos (a abstenção e o obrigatório), teria todo o gosto em participar caso estivesse em São Miguel.

A ilha dentro de mim disse...

Acho que esta comparação será sempre injusta. Primeiro, porque estamos a comparar uma figura nacional com duas regionais. Segundo, porque os deputados açorianos são estreantes no parlamento Europeu, enquanto Ilda Figueiredo já tem experiência e trabalho reconhecido.

Só no final da legislatura se poderá avaliar o trabalho realizado pelos deputados açorianos, indepentemente do partido a que pertencem. Antes disso, será seguramente prematuro.

Tiago R. disse...

Os seus argumentos são válidos, mas demonstram também o que foi a demagogia da importância dos deputados "açorianos", de que PS, PSD e CDS nos encheram os ouvidos.