domingo, 19 de julho de 2009

houve quem avisasse...


A acontecer, será uma decisão esperada perante a qual ninguém deve ficar surpreendido. Mas que teria sido evitável e que se lamenta.

A questão da audição obrigatória pelo Presidente da República não é nem nunca foi uma questão substantiva ou com qualquer relevância para o comum dos açorianos. Apenas a linha de confrontação do PS com o PR fez com que se insistisse nesta questão que, mesmo para um leigo, é claramente anticonstitucional.

E é lamentável, pois o Estatuto no seu conjunto é um documento equilibrado, avançado e que pode ser uma ferramenta importante no desenvolvimento das nossas ilhas. O largo consenso em torno dele, a sua importância e o seu valor fazem com que mereça um percurso institucional mais tranquilo. Esta decisão do TC vai criar uma turbulência e "ruído" indesejável, de que a demagogia pré-eleitoral socialista não deixará de se aproveitar. A Autonomia não devia ser usada para os jogos da pequena política partidária.

2 comentários:

DR.PARDAL disse...

Só a independência dos Açores resolve de vez este problema.
Já estou farto desta telenovela.
Livre Administração dos Açores pelos Açorianos!

Tiago R. disse...

Mas resolvia o quê?

Resolvia os problemas de desenvolvimento, de investimento, de desemprego, de coesão?
Não parece...

Livre administração dos Açores pelos açorianos é que temos agora, pelo menos na letra da lei.