terça-feira, 10 de novembro de 2009

isto é política


PS, PSD e o seu pequeno satélite, o CDS-PP não parecem conseguir entender-se na Câmara de Angra do Heroísmo.

O que é que os divide? O projecto para o Concelho? A visão do futuro da cidade? As prioridades, os investimentos, as obras?

Nada disso! Este quase-incidente político tem apenas a ver com a repartição dos bem remunerados lugares nos conselhos de administração das empresas municipais.

Para estes partidos, política é isto.

9 comentários:

geocrusoe disse...

Não acredito que as coisas cheguem a esse ponto... mas lendo a notícia, julgo que há um pormenor que em política costuma ser fatal: a traição.
Sair de um satélite e depois precisar do rejeitado, nem leva ao entendimento.

Anónimo disse...

Caro Geocrusoe.
Traição de quem, se é que em politica há traições?

Tiago R. disse...

Será que não chega mesmo a eleições? A coisa não está boa...

Caro anónimo:
Não há traições em política? Quer dizer que vale tudo, incluindo arrancar olhos?

Na minha opinião, pelo contrário, a política É o exercício da ética...

geocrusoe disse...

ao anónimo
há sim senhor traições em política, neste meio existem todos os problemas, virtudes e defeitos que ocorrem na sociedade.
Efectivamente, a política deveria ser o exercício da ética, mas a realidade é bem diferente, mas também há idealistas e honestos.

Anónimo disse...

Afinal, quando um individuo deixa de acreditar num projecto ou num politico e muda de opinião, é traidor?
Se assim o é, os resultados eleitorais não mudam nunca se não houver traidores.
Nessa perspectiva as campanhas eleitorais não são mais do que apelos à traição.

Meus senhores:
É proibido mudar de opinião, como o fez o Sr. de Angra?
É proibido deixar de acreditar num projecto, como fez o Sr. de Angra?
É proibido aderir a um projecto novo que se considere mais interessante?

Será que a politica é como o futebol, onde cada um defende a cor que o pai lhe ensinou no berço?

Não é proibido lutar e divulgar ideias e também não deve ser proibido ser cativado por elas.

Esse senhor da Terceira, que por acaso já foi meu professor, teve a coragem de discordar da forma de fazer politica no CDS-PP de hoje, e livremente optar pelo projecto que lhe pareceu melhor.

Luis Miguel Alves Medeiros

geocrusoe disse...

@ Luis Medeiros
1.º mencionei a questão de traição porque o post mencionava apenas 1 causa, dinheiro, o que a ser o único motivo ainda seria pior para a imagem de todos.
2.º Nada tenho a ver com o problema na CMAH, não sou angrense, do ps ou do cds, nem conheço nenhum dos projecto para o concelho.
3.º Em política pode-se mudar, mas é-se sempre alvo de suspeita de oportunismo quando se muda de um projecto de oposição para o lado do poder. quer se goste ou não, este sentido tem este custo político (mesmo que tenha sido por convicção), dúvida que não acontece se for ao contrário.
4.º a suspeita corrói relações humanas entre políticos e por isso penso que não é apenas uma questão de conquista de lugares remunerados o que se está a passar na CMAH.

Anónimo disse...

Eu sou Angrense e conheço os signatários.
A corrida por lugares remunerados não se põe ao nivel dos beligerantes.
Nenhum deles corre por 2500 euros mensais.
Mas põe-se a outros niveis onde este montante tem representatividade.
Concordo com o ultimo paragrafo do comentário de cima. A deteriorização das relações entre ambos deve ter pesado neste conflito. É preciso não esquecer que o fantasma de Alvarino Pinheiro ainda paira no CDS-PP.

Anita e Miguel disse...

Apenas o lugar na administração da Culturangra é remunerado...

Tiago R. disse...

Creio que no conselho de administração dos SMAS existem senhas de presença nas reuniões (se não existirem também, como é costume em muitas empresas municipais, despesas de representação, ajudas de custo, cartões de crédito, transportes, viaturas e et.).

Já não é mau...