segunda-feira, 30 de março de 2009

16 mulheres e 14 homens

As listas da CDU nunca precisaram da hipocrisia das leis de quotas para terem importante e valiosa participação feminina.

Agora a CDU foi ainda mais longe e, creio que pela primeira vez em Portugal, existe uma lista maioritariamente feminina em eleições nacionais.

Mas as diferenças estão muito para lá disso. São inerentes a todo o projecto da CDU.

Retenho a frase de Ilda Figueiredo:

manchas que não se lavam

Exército israelita arquiva investigação a denúncias de abusos em Gaza

Sobre as denúncias que transcrevi neste post, decidiu o exército israelita fazer um breve e ligeiro inquérito para rapidamente ilibar os seus soldados das atrocidades que cometeram sobre o povo palestiniano em Gaza.

Bem podem os israelitas tentar lavar as mãos, mas há manchas que não se apagam e crimes que não se perdoam.


domingo, 29 de março de 2009

finalmente

Será lançado amanhã, dia 30, o Matriz, novo álbum de Teresa Salgueiro com o Lusitânia Ensemble. Promete ser um dos álbuns do ano de 2009.

Teresa Salgueiro continua a fazer-nos voar muito alto com a sua voz e a emprestar às canções a paixão que as torna inesquecíveis. Cada faixa deste álbum é, do que ouvi até agora, uma verdadeira jóia, até pela qualidade dos músicos com que Teresa sempre se rodeia.

É um privilégio poder continuar a assistir à afirmação brilhante do talento de um nome grande, muito grande, da música portuguesa.

Veja o teaser:





Aproveite também para visitar : www.teresasalgueiro.pt

ainda São Jorge










Mão amiga enviou-me mais algumas imagens destas paisagens de cortar a respiração. São Jorge, claro!

dramatizações desesperadas


O discurso de Vital Moreira assenta em dois pontos fundamentais que tenta, de forma desesperada, fazer passar para o eleitorado:

1. Os "perigos" que a União Europeia correria se a vitória for para forças "não-europeístas".
2. Tentar convencer os portugueses a não fazerem um julgamento do Governo do PS nas eleições europeias.

Quanto ao primeiro ponto, nada de novo. Conhecemos essa dramatização desde sempre em relação aos assuntos europeus, nomeadamente em relação ao Tratado de Lisboa, em que a argumentação oficial era também nesta linha de ou o Tratado ou acaba a Europa. Ora, o Tratado acabou, ou quase, e a UE ainda aí está. Claro que sem que os portugueses possam ter dado qualquer opinião...

Quanto ao segundo ponto, Vital assume todo o desespero de quem sabe que o PS se encaminha para retumbantes e históricas derrotas em 2009, talvez com os seus piores resultados de sempre.

Será um resultado justo, em correspondência com o pior governo de sempre. Vital sabe-o e tenta inutilmente dramatizar.

sábado, 28 de março de 2009

espinha dobrada


Mais do que as óbvias diferenças de estatura política, o que me deixa verdadeiramente envergonhado é que o Presidente do Governo Regional assuma a posição do colonizado obediente e concorde que os EUA não têm de pagar nada pelo uso da Base das Lajes.


Que interesses está César a defender com esta posição? Não são os dos Açores com certeza.

Dignidade da Região? Autonomia? Pois sim! Frente ao patrão americano o Presidente do Governo prefere uma postura humilde e bem-comportada.

Não entende que só poderemos ter boas relações entre Portugal e os EUA construídas numa base de respeito mútuo e de cumprimento dos compromissos assumidos bilateralmente.

Com esta postura, Carlos César envergonha todos os açorianos.

a trapalhada adensa-se

Relatório do Tribunal de Contas arrasa Atlânticoline


Parece que as incompetências, hesitações e actuações menos claras da administração da Atlânticoline forma mais do que muitas.

O Governo Regional tinha obrigação de acompanhar bem de perto este processo, até pelo volume do investimento e pela importância dos navios para a Região.

Não o fez. E por isso, não é certamente aceitável que tente sacrificar a administração que nomeou, atirando-lhe todas as culpas e fugindo às suas próprias responsabilidades políticas.

O Governo do PS não precisou da ajuda de ninguém para se enforcar com mais esta trapalhada!

sexta-feira, 27 de março de 2009

Saramago sobre a Europa


O Caderno de Saramago é a minha indispensável dose de lucidez diária.

é oficial

Confirma-se:
Atlântida não atinge a velocidade desejada


Não surpreende ninguém, mas já é oficial e confirmado.

E agora? Que vai fazer o governo Regional? Como evitar que se desperdicem dezenas de milhões de euros? Ainda será possível fazê-lo?

E as responsabilidades políticas deste caso? Será que Carlos César pretende tentar injustamente atirar as culpas para o Secretário Regional da Economia, assim sacrificando o seu delfim por erros passados e alheios?

Os açorianos têm direito a respostas claras e concretas.

omoletes sem ovos

Açores vão ter Orquestra Sinfónica Regional


Gabriela Canavilhas, Directora Regional da Cultura anunciou a criação de uma Orquestra sinfónica Regional, que se chamará "Francisco de Lacerda".

A ideia é boa. Resta explicar com que meios é que o Governo Regional pretende fazer isto, uma vez que na Proposta de Plano anual que está em discussão no Parlamento, apenas prevê gastar 3,3 milhões de Euros em actividades culturais e estas verbas têm de chegar para tudo: desde as escolas de formação, à Rede Pública de Leitura, ao apoio à Lira Açoriana.

Pode ser que essa tal orquestra sinfónica seja para 2010 ou 2011, porque em 2009 nem para mandar cantar um cego...

modernidades



Esta reportagem verdadeiramente chocante do Correio dos Açores mostra o que muitas vezes se esconde sob a capa da modernidade, dinamismo e competência das grandes superfícies comerciais.

Turnos de 16 horas? Horas extraordinárias não pagas? Proibidos de ir à casa de banho? Salários de menos de 300 Euros? Ameaças de despedimento? Tudo normal...

O que se passa nas Portas do Mar não anda longe da escravatura.

Uma vergonha!

borlistas





Estou perfeitamente em choque com as declarações de um responsável da embaixada norte-americana, assumindo claramente a intenção de esvaziar todo o envelope financeiro devido a Portugal pelo uso da Base das Lajes.

Pretendem, nas suas palavras "em vez de pagar uma conta, fazer uma parceria". Pois! Sai-lhes com certeza mais barato...

É perfeitamente inaceitável e exige-se um posicionamento claro e firme das autoridades portuguesas, a começar no governo Regional.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Ludwig Van

(Ludwig Van Beethoven 16 Dezembro 1770 - 26 de Março de 1827)
No dia 26 de Março de 1827, morria um dos grandes génios musicais de todos os tempos. Mais do que um músico, um homem envolvido e empenhado no seu tempo que teve a coragem de inovar, romper tradições e que soube captar na época o palpitar da história em movimento e transformá-lo em música. Música como nunca se ouvira antes.

Música que, 182 anos depois continua viva. E onde estaríamos nós sem ela?

Oiça alguma:

Beethoven Symphony No.4 - IV. Allegro ma non troppo - Ludwig van Beethoven

E, já agora, aproveite para visitar os arquivos digitais da Beethoven-Haus Bohn: milhares de documentos pessoais, partituras, esboços e rascunhos do grande músico. Vale a pena!

quarta-feira, 25 de março de 2009

quebrar o círculo vicioso da crise (reloaded)

Depois de ter escrito este post, foi apresentada mais uma iniciativa na Assembleia da República, a 457/X:

PCP recomenda ao Governo que salário mínimo atinja os 600 euros em 2013


Uma medida de elementar justiça e com efeitos positivos sobre o consumo. Será que o PS aprova?

tudo decidido


As declarações do Comandante do Comando Aéreo dos Açores deixam antever que, nos altos círculos diplomáticos, tudo está já decidido sobre a criação de uma zona de treino de combate sobre águas açorianas.

Entretanto, parece que ficou esquecida a promessa do Presidente do Governo Regional, feita à saída de um encontro com o Comando Americano, de que se faria um estudo de impacto ambiental e sobre o qual escrevi isto.

Além disso, concordo também com o que se diz no In Concreto: Sem resolução dos problemas laborais e garantias para os trabalhadores da Base, não há novas valências para ninguém!

terça-feira, 24 de março de 2009

quebrar o círculo vicioso da crise

Duas notícias e duas propostas relevantes que demonstram que é possível fazer mais do que cerrar os dentes e aguentar a crise:

PCP propõe isenção de propinas para estudantes desempregados ou com elementos do agregado no desemprego

PCP pede aumento do valor e da duração do subsídio para desempregados


o spot que a Antena 1 devia ter feito

E que eu não resisti a roubar desavergonhadamente ao Activismo de Sofá

Anúncio da Antena 1 (de Maio)

a diversificação por um canudo

O Açoriano Oriental traz-nos a notícia (que no fundo não é nova) das dificuldades porque passam a SINAGA e a Fábrica de Tabacos Estrela em resultado das políticas europeias.
Quanto à SINAGA, a UE não permite a importação de ramas de cana para suprir a falta de beterraba. Quanto à Fábrica de Tabacos Estrela, prevê-se o fim dos apoios à plantação de tabaco dentro do espaço comunitário.
Mais uma vez as políticas da União Europeia prejudicam activamente as nossas produções tradicionais. As lágrimas de Paulo Casaca (que aposta numa estratégia de conversas pessoais com a comissária) e de Duarte Ponte não convencem. O que teria sido necessário é que tivessem votado contra estas orientações. Agora é tarde.

segunda-feira, 23 de março de 2009

mais do que números

Ora cá estão os números da crise a atingirem uma dimensão inesperada mesmo para os mais pessimistas. E para lá dos números, uma multidão de dramas humanos difíceis de imaginar.

Torna-se claro que os planos multimilionários de salvamento de empresas financeiras falidas têm, na melhor das hipóteses, resultados mediocres e não dão resposta às questões fundamentais colocadas pela actual crise.

É que, por cada novo desempregado, teremos a correspondente diminuição no consumo interno e o agravar do círculo vicioso dos maus resultados das empresas.

A aposta concreta e fundamental tem de ser, só pode ser, na criação e preservação do emprego. O estado tem de intervir, sem complexos, nas empresas que produzem e geram riqueza. Não nos BPN's que para aí andam.

domingo, 22 de março de 2009

os nossos mares e a Europa deles


Agora que se aproximam as eleições para o Parlamento Europeu, importava que se recolocassem na agenda política regional algumas questões europeias e forma como afectam os Açores. Destas, as questões das pescas e da protecção dos oceanos surgem naturalmente como centrais.

O (infelizmente ainda não completamente defunto) Tratado de Lisboa previa dar à Comissão Europeia competência exclusiva na gestão das pescas e da conservação dos recursos marinhos dos Açores.

Objectivamente, isto iria significar abdicar de toda a soberania sobre os nossos próprios recursos e, mais grave, afastar ainda mais os principais interessados (neste caso, os açorianos) dos processos de decisão sobre questões que os afectam directamente.

Ninguém pode prever exactamente quais seriam as consequências de os mares açorianos passarem a ser integralmente geridos a partir de Bruxelas, mas adivinho que nada de bom. Nomeadamente assistiríamos à entrada em força dos navios de pesca de grande tonelagem dos outros países, sem qualquer consideração sobre o impacto social na economia regional, nem sobre a protecção ambiental dos nossos recursos e bio-diversidade marinha.

Os obscuros e desconhecidos critérios que presidem à definição das quotas pesqueiras e à sua distribuição pelos diversos países tem prejudicado grandemente os nossos interesses. Por outro lado, os subsídios para abate de embarcações tiveram um efeito destrutivo sobre a nossa frota.

A pesca nos Açores evoluiu - e muito bem - para uma maior selectividade das espécies, capturadas, o que a torna muito mais sustentável, do ponto de vista ambiental. No entanto, a falta de apoios para o investimento em novas, maiores e melhores embarcações, fazem com que continuemos com quantidades pequenas, que não conseguem posições vantajosas em termos de competitividade. Nos Açores, a quantidade de pescado, por exemplo o atum, nem sequer permite abastecer convenientemente a nossa pequena indústria conserveira, que se vê obrigada a importar matéria prima para garantirem a produção!

Seria possível aumentar o esforço de pesca sem pôr em causa a sustentabilidade dos recursos. Hoje em dia, esse peixe é, de facto, pescado nos mares dos Açores, só que não por portugueses.

Entregar a gestão de toda esta riqueza, património de todas as futuras gerações de açorianos, aos distantes eurocratas de Bruxelas é um crime que não podemos permitir. Esta ameaça já levou, aliás, a uma forte reacção de recusa por parte das associações do sector, que defendem o referendo sobre o Tratado.

Importa lembrar que PS e PSD não só estiveram de acordo com este famigerado Tratado de Lisboa, como o aplaudiram de pé! Era interessante ouvir os o que é que os candidatos açorianos ao PE têm a dizer sobre este assunto...

descubra as diferenças

Olhando para os números saídos no Expresso e que trouxe aqui via O Tempo das Cerejas*, já não surpreende ninguém o desnível de trabalho entre os eurodeputados da CDU e os dos outros partidos.

A comparação entre os miseráveis desempenhos de Sérgio Sousa Pinto (PS), Francisco Assis (PS), Assunção Esteves (PSD) e Miguel Portas (BE), por exemplo, e a actuação dos dois deputados eleitos pela CDU revela muito mais do que meras diferenças de atitude ou competência.

Revela todo um posicionamento político diferente: Para alguns o Parlamento Europeu não é uma "prateleira dourada" para aguardar confortavelmente o regresso aos palcos da política nacional, mas sim um local para a defesa intransigente e incansável dos interesses do nosso país.

De notar ainda que os deputados da CDU, seguindo o princípio de não serem prejudicados nem beneficiados no exercício de cargos públicos, não embolsam em proveito próprio o chorudo salário.

Diferenças...

sábado, 21 de março de 2009

naturalmente

Venezuela vai legalizar os casamentos de homossexuais

Com naturalidade, coerência e sem precisar de grandes alaridos de auto-glorificação, a Venezuela vai tornar-se um dos países com a legislação mais avançada no campo da igualdade de género e não discriminação. A liberdade e a democracia estão no código genético da Revolução Bolivariana.

A medida surge com toda a naturalidade.

começo a perceber

Atlânticoline gasta mais 4 milhões em camarotes

Esta notícia do Diário Insular começa a lançar alguma luz sobre as razões que levaram a que o projecto original do Atlântida fosse alterado, raiz e razão óbvia dos seus actuais problemas.

Sendo, assim, não adianta vir agora tentar responsabilizar os Estaleiros Navais de Viana do Castelo. É que construir um navio é muito mais complicado do que fazer uma estrada para uma fajã qualquer onde, com mais milhão ou menos milhão, a coisa faz-se.

A ter havido alterações extemporâneas ao projecto, revelam uma cegueira e incompetência confrangedoras. Até porque já se coloca a questão de saber se o navio, como está, tem alguma utilidade para a Região. A dimensão deste fiasco e o seu custo para os cofres da Região obrigam a que sejam assumidas todas as consequências políticas. E cabe apenas ao Presidente do Governo Regional fazê-lo.

Também se percebe melhor agora porque é que o PS pretende impedir que se crie uma comissão de inquérito no Parlamento para apurar responsabilidades.


precariedade made in USA

Base das Lajes: Guardas do Tank Farm continuam a contrato

E as autoridades açorianas e nacionais continuam em silêncio, em vez de exigirem o cabal cumprimento da lei laboral e, solicitar o afastamento da comandante da Base, por manifesto desrespeito para com o Acordo de Cooperação e Defesa

Uma vergonha!

sexta-feira, 20 de março de 2009

com os olhos postos em França

Mais de 3 milhões de pessoas na rua contra as políticas Sarkozy, demonstram, definitivamente a vitalidade de um sistema democrático, e a firme determinação dos seus cidadãos.
A França continua a ser, em muitas medidas o farol da Europa.



quinta-feira, 19 de março de 2009

crimes em Gaza

Começam a vir a público as dimensões dos crimes de guerra praticados pelo exército israelita (também) durante as últimas operações militares na Faixa de Gaza. Leia aqui um artigo do diário israelita Haaretz com relatos dos próprios soldados.

E, se levantam questões sobre a indigna e subserviente posição diplomática da UE perante este Estado-fora-da-lei, também colocam questões profundas sobre a própria sociedade israelita.

Décadas de cultura de medo permitiram criar gerações de soldados movidos pelo ódio racista ao árabe, que cometem as piores atrocidades com a maior tranquilidade.

Podia tudo resumir-se à declaração do anónimo soldado israelita que afirmou aos jornalistas: "devíamos matá-los a todos (no centro de Gaza), todos lá são terroristas" (tradução minha).

Assim, que espaço poderá haver para a reconciliação?

envelhecimento


Não partilho dos alarmismos sobre a segurança social, que está bem e estaria ainda melhor se o Governo não a descapitalizasse, mas um cenário como este levanta preocupação. E a múltiplos níveis.

Infelizmente, as receitas que os governos do PS e PSD têm aplicado para combater esta situação não têm passado de meros e ligeiros paliativos de apoio aos jovens e, claro, retardar as reformas, obrigando as pessoas a trabalharem mais anos.

Tem de haver outras respostas. Se analisarmos friamente as razões que fazem com que os jovens casais adiem a decisão de ter filhos, relacionam-se esmagadoramente com duas coisas: aquisição de habitação e estabilidade na profissão e nos rendimentos.

É neste campo que se combate a diminuição das taxas de natalidade. Combatendo a precariedade no emprego e o desnível salarial dos trabalhadores nas posições iniciais das suas carreiras. Criando um mercado de habitação que não esteja nas garras dos especuladores. Diminuindo as despesas que os jovens enfrentam com a sua educação e formação.

Entretanto, perante cenários deste género, desaparecem todas as justificações para impôr limites à imigração. Os imigrantes, jovens, trabalhadores, contribuintes líquidos para o sistema, poderão contribuir decisivamente para evitar que nos tornemos um país de velhos.


(Imagem: "O homem crepuscular" Salvador Dali)

a ponta do iceberg


Números do INE apontam pra que cerca de 900 mil portugueses têm trabalho "não permanente".

É apenas a ponta do icebergue da precariedade, uma vez que não inclui as situações dos contratos a prazo sistemáticos, de recibos verdes e de puro e simples trabalho ilegal.

Os números reais serão de certeza muito mais elevados. confirma-se, no entanto, uma tendência de crescimento deste tipo de trabalho.

Um tipo de trabalho sem valorização profissional, sem perspectivas de carreira, sem estabilidade pessoal, sem tempo para a família, com a angústia permanente do "terei trabalho para a semana?"

Quem já passou por esta situação sabe do que estou a falar. Que raio de país estamos nós a construir?

parabéns Bigas Luna





Bigas Luna, o homem que lançou a carreira de Penélope Cruz (que não o esqueceu na entrega dos óscares) ou Javier Bardem, que com o seu olhar futurista, cru e apaixonado, arrasou os horizontes da criação cinematográfica espanhola pós-franquista, está de parabéns. Faz hoje 63 anos.


E está em grande forma! Basta ver o seu fantástico site, onde podemos recordar fotos e sequências dos clássicos: "Lola", "Jamon Jamon" ou "Huevos de Oro", mas também conhecer os seus novos projectos nos campos, da instalação, montagens, video-art e curtas metragens. Lunas é inesgotável e ainda bem!


(depois dum post tão desagradável como o anterior, precisava de boas notícias)

quarta-feira, 18 de março de 2009

gente evoluída

Activista da extrema-direita Mário Machado detido por tentativa de homicídio

Quantas provas mais serão precisas para se provar que o PNR não é um partido, mas sim uma organização criminosa, que deve ser imedatamente ilegalizada?

três notícias: nada de novo


Três notícias que não surpreendem e que reflectem a realidade quotidiana dos açorianos.

Afinal, nos Açores a inflação vai absorver na íntegra o nosso gostoso aumento de 2,9% e o rendimento das famílias cairá ainda mais, com o natural reflexo na procura interna e nos resultados das empresas. E os números do INE confirmam isso mesmo.

Ligando a cassete: Só com um aumento real do poder de compra dos açorianos é que dinamizaremos a economia regional. E o instrumento mais directo para o atingir é só um: aumentar os salários.

Sem isso, nada de novo.

apoio técnico aos estaleiros navais de Viana do Castelo




Foi a isto que ficou reduzida a nossa indústria de construção naval, depois de anos de políticas de privatização e liberalização de mercados.

Patrioticamente: aqui fica a minha contribuição, à-prova-de-idiotas. É só seguir as figuras.

demasiado grave

A ser verdade o que escreve o Expresso, o caso Freeport assume toda uma nova dimensão e gravidade.

Torna-se um caso de regime: como é possível que tenhamos deixado a corrupção assumir o poder e a alargar a sua sinistra teia de favores, ameaças, silêncios e influências desta forma no Portugal de Abril?

Recordo a coragem dos magistrados italianos, há alguns anos atrás, no tempo dos chamados processos "mãos limpas", que permitiram reduzir radicalmente a influência e corrupção mafiosa no aparelho de estado italiano, derrubando diversos políticos pelo caminho.

Do poder judicial exigem-se decisões e actuações corajosas. Portugal precisa de uma limpeza. Doa a quem doer.

terça-feira, 17 de março de 2009

biodiversidade insular



Cerca de 5499 imagens estão agora disponíveis cobrindo 1977 das 5000 espécies terrestres dos Açores. Esta aqui de cima é a nossa espectacular conterrânea Achaearanea acoreensis, uma espécie descoberta em 1932.

Sei que já existe há um tempo, mas - terrível ignorância minha - ainda não conhecia o Portal da Biodiversidade dos Açores.

Um trabalho soberbo e importantíssimo. A não perder.

segunda-feira, 16 de março de 2009

sindicalismo alinhado

A propósito das tristes declarações do nosso PM sobre o sindicalismo livre de tutelas partidárias, recordo este post com as declarações de João Proença.

E esclareço: não me choca nada que João Proença seja apoiante do PS ou de Sócrates, ou de quem quiser. É um direito que lhe assiste como cidadão. Agora não aceito que se tenha dois pesos e duas medidas.

E a questão é iniludível: os sindicatos têm de abordar, naturalmente, questões políticas. A defesa dos interesses dos trabalhadores (dos seus "associados", como dizia o PM) passa por discutir políticas e modelos de desenvolvimento.

As organizações sindicais não podem deixar de criticar governos que prejudicam os seus "associados". E isso, a UGT, só muito raramente faz, se é que o faz de todo quando o PS está no Governo.

Quem é que falou em tutelas partidárias?

golf e ambiente

Ao contrário do que diz Berta Cabral, não acho que as ilhas açorianas sejam campos de golf naturais.

Do ponto de vista de produto turístico, tenho muitas dúvidas que os Açores possam ser competitivos num mercado que está já saturado de oferta e cuja procura vai certamente continuar a descer, fruto da crise económica.

Mas, pior ainda, os campos golf têm seríssimos impactos ambientais que não devem ser ocultados.

Desde logo, elevadíssimos consumos de água, pelo menos no verão, comprometendo ainda mais a sustentabilidade de um recurso escasso nas nossas ilhas. Por outro lado, o uso de pesticidas e químicos nos greens, embora com o seu regulamentado, está longe de ter um impacto nulo, mesmo com a implementação de sistemas de drenagem e tratamento que, entretanto, são caríssimos.

Ainda, sobre a qualidade dos greens, diz-me quem percebe mais do que eu sobre isto, que o nosso tipo de clima e a imprevisibilidade da precipitação não permitirão termos relva de qualidade elevada, nomeadamente para competições de estatuto internacional.

Ora, com todos estas dúvidas, será que o golf é assim tão estratégico para o nosso desenvolvimento turístico?