quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

capitalismo: um drama passional


Michael Moore consegue em "Capitalismo, uma história de amor" mais um filme de grande impacto, um retrato impressionante da crise económica global, as suas causas, os seus protagonistas e as suas vítimas.

Não pode deixar de impressionar o depoimento corajoso da Representante Marcy Kaptur sobre a forma como os órgãos legislativos americanos foram pressionados para a aprovação de um pacote de ajudas aos grandes bancos, sem qualquer avaliação, sem quaisquer contrapartidas.

O retrato da história de amor traído entre a América e o Capitalismo. A não perder!

6 comentários:

Anónimo disse...

Os Estados Unidos continuam a ser um país de oportunidades incrivel.

Tiago R. disse...

Não para todos.
Mas isso também nunca foi...

Anónimo disse...

Para quem quer trabalhar e tem iniciativa, a grande maioria, é.

Há a classe média e minorias de ricos e pobres.

A taxa de pobres na América é infinitamente inferior à que existe na vizinha Cuba, onde a maioria da população vive muito mal, ou na antiga URSS, que era um estaleiro de pobreza, como se veio a constatar.

Tiago R. disse...

Caro anónimo:
Muito obrigado por escolher o exemplo de Cuba. Fez muito bem!

Sabe qual foi o primeiro país a erradicar (mesmo até zero) a subnutrição infantil?
Sabe qual é o país do mundo com mais baixa taxa de analfabetismo?
Sabe qual é o país que cobre 100% da população com cuidados médicos gratuitos?

Vou dar-lhe uma pista: não são os Estados Unidos.

Estude um pouco mais antes de comentar.

Anónimo disse...

Carissimo

Já andei por Cuba.
Constatei a miséria que por lá anda e a correria atrás dos dolares.

Tiago R. disse...

Ainda bem que depois de uns dias de praia em Varadero acha que está melhor informado do que organismos internacionais especializados...