sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

idiotas (mesmo) úteis

Neste momento, só uma hecatombe política retiraria a Vítor Constâncio o lugar de vice-presidente do BCE até 2018.

Depois de diversos e graves escândalos na supervisão bancária, que resultaram em casos tão exemplares como os do BPN ou BPP, Vítor Constâncio vê a sua inépcia recompensada, tendo agora a oportunidade de ir aplicar toda esta sua competência e eficácia no regulador do sistema bancário europeu. Imagino os festejos nos conselhos de administração dos bancos da Europa. Agora sim! Vai começar o grande rega-bofe!

Sendo verdade que Vítor Constâncio se destacou pela total e absoluta incompetência no Banco de Portugal, a verdade é que é um idiota mesmo útil: nunca se fez rogado nos apelos ao corte de despesa pública e na insistente cassete do apelo à contenção salarial (para os outros, não para ele, já se vê).

4 comentários:

Rogério Paulo Pereira disse...

Só espero que vá para um lugar onde pouco ou nada possa decidir que influencie o comum cidadão europeu.
É que por cá, pelo menos está num sítio (o Banco de Portugal) onde mesmo fazendo pouco, também nada pode decidir de importante, o que já não é verdade em relação ao BCE.
Não nos esqueçamos das trapalhadas do Trichet no 2º semestre de 2008 que, em delírio, via inflação por todo o lado e com a cura quase matou o doente, como se a culpa do aumento dos preços do petróleo fosse do consumo dos europeus, quando não era mais que inflação importada.
Estão bem um para o outro e isso preocupa-me.

Tiago R. disse...

Toda, mas toda a razão, caro Rogério!

No Banco de Portugal, ao menos, não influenciava grande coisa.

Anónimo disse...

No BCE não se brinca aos grãos de milho.

Se escolheram este homem, é porque ele vale.

Raramente se é profeta na sua terra.

Tiago R. disse...

Neste caso, nitidamente não foi bom regulador bancário na sua terra.