sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

idiotas úteis

Graças ao estimado vizinho My Web Time, fiquei a saber quem é Rui Pedro Soares, o homem que apresentou a providência cautelar para impedir a publicação do SOl.

O seu percurso é toda uma lição sobre os nossos tempos e sobre a natureza da "esquerda moderna".

Tendo começado a sua carreira mandando estampar uma imagem de Che Guevara e um poema de Manuel Alegre nas t-shirts da JS de Lisboa, que liderava com o slogan "Nós vamos pela esquerda" consegue, em pouco tempo, ver-se guindado à posição de administrador executivo da PT, auferindo cerca de 1.200.000€ (yap. Não me enganei. São mesmo um milhão e duzentos mil euros por ano), ironicamente 16 vezes mais do que o próprio José Sócrates.

Esta capacidade de se apropriar dos símbolos e discurso tradicional da esquerda, enquanto se praticam e se assumem posturas que nada têm a ver com eles, é muito característica do pântano ideológico a que chamam "esquerda moderna", que em Portugal reside essencialmente no PS, mas também, marginalmente no BE. Um estranho divórcio entre forma e conteúdo que objectivamente esvazia toda a prática e pensamento políticos, em prol do mais básico pragmatismo utilitarista. O pragmatismo é, de facto, um traço do pensamento guevarista. O objectivo de subir a todo o custo não.

Figuras como Rui Pedro Soares são o produto natural deste tipo de pensamento(?). Aliás, são os seus instrumentos indispensáveis: Idiotas úteis e sem escrúpulos. Naturalmente bem remunerados.

1 comentário:

geocrusoe disse...

Este tipo de evoluções é muito fértil em sistemas que se instalam no poder por muito tempo e onde a imagem é mais importante que a honestidade e o substrato intelectual das pessoas