quinta-feira, 18 de março de 2010

maus caminhos


Foi aprovada apenas com os votos do PS a criação da Azorina, SA. Uma sociedade anónima para gerir todo o tipo de equipamentos e instalações da área ambiental, desde os próprios parques naturais, aos centros de interpretação ambiental, às ecotecas, a ETAR's e sistemas de resíduos. Na realidade, não se sabe muito bem tudo o que esta empresa irá gerir, mas pode ser tudo o que apeteça ao Governo Regional. Está, então, aberta a porta à privatização das nossas maiores riquezas e património ambiental.

Diz o Governo que também pretende com esta empresa resolver o problema dos trabalhadores que trabalham nesses equipamentos, mas através de protocolos com ONG's da área do ambiente e estão precários há anos. Passa-se assim por cima do direito desses técnicos a terem um vínculo e retribuições equiparadas à restante função pública regional. Quanto a garantias sobre o seu futuro na Azorina, o Secretário Regional do Ambiente não dá. Mas sempre vai mostrando que assim sairão mais baratos para os cofres da Região.

No entanto, também pela sua natureza e dimensão, esta empresa como todas as outras criadas pelo Governo irá rapidamente começar a acumular passivos e prejuízos. Quando se tornar num monstro de dívida a amarrar ainda mais as contas regionais, de quem será a responsabilidade? Mas já sabemos como será, vimos isto antes, quando a Azorina se tornar completamente incomportável, lá virão os argumentos irrefutáveis para entregar, de vez, o nosso património ambiental à ganância privada. Estamos num mau caminho.

3 comentários:

Rogério Paulo Pereira disse...

Tiago,
Isto nada tem que ver com "ganância privada". Aliás não se vislumbram quaisquer privados no processo.
É apenas mais um expediente, em minha opinião, do tipo Saúdeaçor. E sempre dá para criar mais um Conselho de Administração com umas quantas Delegações de Ilha, ou até mesmo concelhias.

João C. disse...

Isso mesmo. Pelo menos mais uns três Administrador@s, com salários chorudos, carros com gasolina paga, telemóveis. De privado não vejo nada. Vejo uma empresa tipo SATA ou do género das Administrações Portuárias mas na área ambiental. No entanto, concordo com a tua última frase: estamos no mau caminho, porque vamos ficar mais pobres para que um pequeno grupo fique mais rico e nem sabemos muito bem com que linhas nos andamos a coser.

Anónimo disse...

A racionalização, mesmo na área do ambiente, é essncial.

Que venha a empresa e ponha pontos nos i.