sexta-feira, 9 de abril de 2010

patriotas


Num momento em que temos a nossa economia paralisada, em que as empresas precisam desesperadamente de crédito bancário para poderem investir e aumentar a sua actividade, numa conjuntura em que as taxas de juro até estão baixas, o que é os bancos fazem? Emprestar mais, protelar cobranças, diferir juros, conferindo dinamismo à actividade económica e ao consumo interno para revitalizar o país? Não! Nem pensar!

Apesar de usufruírem de milhões e milhões de euros de benefícios fiscais; apesar de pagarem pouquíssimos impostos, quando em comparação com os seus congéneres europeus; apesar de saberem que se as coisas correrem mal, o Estado prontamente os virá salvar do pior das suas dívidas, como sucedeu com o BPN, apesar, por fim, de terem, durante o ano de 2009, o tal ano da crise, acumulado lucros de muitos milhares de milhões de euros; apesar de tudo isso, não é com o sairmos ou não da crise que os bancos estão preocupados. Para os seus accionistas, se há crise, os outros que a paguem.

O caso da CGD é ainda mais chocante. Trata-se do banco do Estado, que deveria ser um instrumento do Governo para o desenvolvimento do país, não apenas mais uma máquina de acumular dividendos.

Numa altura em que o Estado se queixa da falta de receitas, em que as regras do famigerado PEC se preparam para nos pôr a todos a apertar (ainda mais) o cinto, não seria interessante fazer aos bancos o mesmo que eles fazem ao país e taxar devidamente as suas operações e dividendos, ou limitar-lhes os benefícios fiscais em função da sua atitude e participação no esforço nacional para sairmos da crise?

Não é chocante que os bancos se preocupem com o seu próprio interesse. Chocante é que o Estado não cuide do interesse do país.

7 comentários:

Ana Martins disse...

Eu não diria bem chocante. Vergonhoso sim, Chocante, tendo em conta o governo que temos, chocante já não é, infelizmente...

O Barbeiro de Santana disse...

Quando rebentou a bolha da roleta todo o mundo perguntou onde estava a regulação/supervisão.

Agora que o BCE congela a taxa de juro e os bancos(mais aflitos e gulosos do que nunca)aumentam os spreads a bel prazer, onde andam os trafulhas da supervisão?!!

Anónimo disse...

Há bancos que aumentam speads, há os que mantém e há os que diminuem.

É escolher.
O mercado é livre.

Tiago R. disse...

Já agora, caro anónimo, pode dizer-me que bancos é que baixaram o spread?
Era uma informação útil...

Anónimo disse...

Não vou dizer.
É pouco ético fazer publicidade.
É procurar.

Tiago R. disse...

Quase tão ético como brincar com a inteligência dos indígenas!

Anónimo disse...

Ninguém está a brincar caro blogger.

Há bancos que mantém speads baixos e há alguns - poucos - que até baixaram.

É procurar no mercado.