quinta-feira, 13 de maio de 2010

sufocar mas devagar

Afinal a SINAGA só vai poder exportar 10 mil toneladas de açúcar até 2015, A redução será progressiva, de 3 mil toneladas em 2011 até apenas mil toneladas em 2015.

Para que vai servir agora o plano de recuperação, anunciado pelo Governo quando entrou no capital da empresa, que previa aumentar a produção de beterraba para mais de 22 mil toneladas em apenas três anos?

Apesar das promessas e anúncios triunfalistas de Luís Paulo Alves e do Governo Regional, a verdade é que a sobrevivência da nossa indústria açucareira está refém de interesses que não são os nossos e que decretam a asfixia progressiva e inexorável (também) deste sector nos Açores.

Das duas uma: ou não é de todo possível fazer valer as nossas posições no quadro de uma Europa com parceiros mais poderosos, e aí poderíamos perguntar-nos, afinal para que serve a UE; ou, por outro lado, temos uma representação incompetente, passiva e conformista, que permite que sejamos olhados e usados apenas como mais uma economia periférica e dependente. O que é que parece mais provável?

1 comentário:

Ana Martins disse...

Efectivamente, exceptuando dois deputados, a nossa representação na UE é vergonhosa. Mas ainda assim eu acho que a UE é mesmo para isso que serve: asfixiar economias periféricas tornando-as cada vez mais dependentes das grandes cada vez maiores... Enfim, é o que temos e é o que temos que transformar...