terça-feira, 8 de junho de 2010

Duarte e companhia

A recusa de Duarte Ponte (ex-Secretário Regional da Economia) e de Duarte Toste (ex-Presidente da Atlanticoline) de prestarem depoimento na Comissão de Inquérito sobre a construção dos navios para a Atlanticoline, fica-lhes mesmo muito mal e, sobretudo, não pode deixar de ser reveladora de uma determinada incomodidade e falta de vontade de esclarecer o assunto.

Não tenho ilusões, bem sei que os objectivos do PSD têm muito mais a ver com a obtenção de trunfos políticos imediatos do que com o esclarecimento da verdade. Os timmings que escolheu para a criação da Comissão e a sua vontade, várias vezes declarada, de tornar públicas todas as reuniões das comissões do Parlamento, demonstram-no à saciedade

Mas esta recusa cai sobretudo mal aos protagonistas porque, embora não restem dúvidas, no plano jurídico, que não são obrigados a comparecer (e cá está mais uma questão do novo Estatuto autonómico que falta regulamentar), quem exerceu altos cargos na administração regional não pode assim abdicar das suas responsabilidades em relação às decisões que tomou, nem pode desta maneira tentar subvalorizar o órgão máximo da Autonomia. O Parlamento Regional tem de ser respeitado.

4 comentários:

Di disse...

Perfeitamente de acordo com o texto e com a analogia televisiva escolhida.

Abraço

Anónimo disse...

O parlamento regional tem de dar-se ao respeito.
Issso, como é óbvio, não se faz com regulamentos.
Impõe-se, isso sim, pela conduta daqueles que escolhemos para nos representar.

Tem o Tiago assistido às sessões da ALRAA?
Acredita o Tiago nas conclusões dos relatórios CPI?

Anónimo disse...

O PCP, através do seu único deputado, destaca-se claramente, pela positiva e pelo espirito construtivo das propostas e intervenções que faz.
Honra lhe seja feita.

Tiago R. disse...

Caro anónimo:
Tenho assistido às sessões da ALRAA e digo-lhe que já lá vi do pior, também tenho visto em várias bancadas, intervenções válidas, fundamentadas e sérias.
Não tomemos a(s) árvores(s) pela floresta!

Em relação às comissões são nalguns casos espaços extremamente úteis para os deputados produzirem efectivo trabalho técnico, sem a pressão do confronto-político-para-telejornal-ver. Um espaço onde muitas vezes até se constroem verdadeiros consensos.
E devem manter esta característica. Mesmo sendo públicas.