terça-feira, 21 de setembro de 2010

comportamentos típicos de quem quer ser poder!

Já me tinham contado história semelhantes, mas como esta, nunca tinha assistido. Esta aconteceu no passado dia 12 de Setembro. Como não preciso de contá-la, pois já toda a gente a conhece, vou simplesmente, de forma breve, analisá-la. Refiro-me ao XVI Congresso da JSD Açores.

De uma primeira análise, não tenho dúvidas, a luta pelo poder pode ser surpreendente. Vale tudo. Pequenos truques, manobras de bastidores e até, segundo a lista derrotada, “falsificação de assinaturas na votação dos delegados”. Sobre esta troca de acusações não me quero pronunciar, nem especular, mesmo porque não tenho conhecimento real dos factos, e é a palavra de uns contra a palavra de outras. No entanto, não posso deixar de analisar aquilo, que na minha opinião, foi a atitude vertical, coerente e correcta, para enfrentar o problema – a auto suspensão de funções do Secretário-Geral desta estrutura. Rómulo Ávila comunica a 18 Setembro de 2010 a auto-suspensão das suas funções por tempo indeterminado, querendo assim “(…) contribuir para credibilizar a JSD e a própria política (…)”.

A atitude e o motivo impulsionador da mesma, segundo alegações do referido comunicado são nobres, apesar de tardias, e individualizadas. Julgo, que no estado em que está a JSD Açores, muito dificilmente tal atitude credibilizará a estrutura, já que os seus jovens quadros políticos continuam a guerrear pelo poder, de forma tão agressiva. Pena que não saibam que nas lutas da vida, e tal como no desporto, fair play é o requisito orientador.

Mas é assim, e como “no melhor pano cai a nódoa”, a líder do PSD Açores já percebeu que terá que intervir, antes que a guerra interna da JSD, transpire outros problemas dos sociais-democratas. Só lhe posso desejar bom trabalho, pois não me parece que se avizinhe ser uma tarefa fácil.

Agora, e após uma análise consciente, compreendo que situações como esta são susceptíveis de acontecer em estruturas, neste caso de juventude, que não possuindo uma verdadeira orientação para a sua existência, seguem, em matérias fundamentais, posições de outras juventudes partidárias. Já o fizeram no passado com a JCP, e certamente, continuarão, no futuro, a fazê-lo.

Fernando Decq Motta

3 comentários:

Anónimo disse...

Carissimo

Estes são pepinos já torcidos.

Seria porventura de esperar outra coisa?
É com os mais velhos que se aprende.

Tiago R. disse...

Não é só com os mais velhos mas, de facto, com mais novos destes aprensde-se pouco!

Flávio Gonçalves disse...

Acaba por ser deprimente, demonstra que os maus hábitos da nossa política surgem precocemente.