segunda-feira, 20 de setembro de 2010

dados viciados

Um dos principais postulados do dogma da auto-regulação do mercado, defendido pelos economistas do regime, é o da livre venda pelos trabalhadores da sua força de trabalho. Isto é: os trabalhadores são livres de aceitarem, ou não, um determinado salário em troca do seu trabalho. Isto faria com que procurassem naturalmente os salários mais altos e que os empregadores que pagassem salários demasiado baixos não conseguissem encontrar os trabalhadores que necessitam, desta forma regulando o mercado de trabalho para um preço dito "óptimo".

A entrada em vigor das novas regras do subsídio de desemprego
vem, uma vez mais demonstrar a falácia desta teorização. ao obrigar os trabalhadores a aceitar a salários mais baixos está-se a contribuir para a descida geral dos salários em toda a sociedade. Igualmente, quando se baixa o valor das prestações sociais empurra-se mais gente para aceitar trabalhar a qualquer preço. Que longe que estamos já da "liberdade de contratação" que nos havia de conduzir ao melhor dos mundos possíveis! A iniludível verdade é que para os trabalhadores, os dados estão viciados à partida.

4 comentários:

Anónimo disse...

E haverá porventura, no enquadramento sócioeconómico europeu e noste americano, alternativa?

Nem em Cuba, esse paraíso resistente do comunismo internacional, que bem recentemente declarou falencia.

Tiago R. disse...

Mas não somso um país independente? Não temos nenhum direito à auto-determinação sobre o nosso próprio sistema social e político? Ou será que também Portugal já foi vendido pelo nosso querido centrão?

É claro que temos alternativa!

Anónimo disse...

Quem é que nos dias que correm, é independente?

Qual alternativa?
A da falida Cuba?
A da defunta URSS?
A da gloriosa Coreia do Norte?
A da dividida China, com os seus apendices capitalistas?

Tiago R. disse...

Já vi que você quer falar de tudo menos de Portugal, esse velho país com 900 anos que os tecnocratas pragmáticos do PS e PSD venderam em troca de nada!