terça-feira, 26 de outubro de 2010

a esquerda não tem nada a ver com isto



O aparente dramatismo mediático em torno das negociações entre PS e PSD sobre o Orçamento de Estado é revelador da urgente necessidade que estes partidos têm de aparentar divergências sobre políticas em que, no fundamental, concordam: fazer todo, mas mesmo todo, o possível para deixar intocado o status quo económico, à custa de continuar a agravar as desigualdades sociais, fazendo caír o grande fardo de sacrifícios sobre os que têm sido continuamente sacrificados, explorados e excluídos dos frutos da riqueza que gerámos nas décadas de oitenta e noventa.

E essa é a questão de fundo. Porque foi opção do PS, desde as primeiras horas do adensar da crise orçamental do país negociar sempre à direita e nunca à esquerda. PEC's (1, 2 e agora 3), revisão constitucional, orçamento, em todas as matérias mais fundamentais para o futuro do país, a opção do PS foi a de fugir para os braços calorosos da direita, fechando todas as portas a entendimentos com os partidos à sua esquerda, apesar dos evidentes sinais de abertura, por exemplo da parte do Bloco de Esquerda.

Essa opção diz muito sobre o distanciamento da actual direcção socialista em relação aos fundamentos ideológicos que estiveram na base da fundação do PS. Há uma geração de dirigentes socialistas que esqueceu todo um importante conjunto de lições, vindas do pós-guerra, sobre a necessidade de equilíbrio social, que foram duramente aprendidas pela social-democracia europeia. Interiorizaram, bem demais, o credo capitalista liberalizante. São agora prisioneiros do seu próprio pragmatismo a-ideológico.

Quando o país entrar em ruptura, como fatalmente vai acontecer em resultado das medidas recessivas, Passos Coelho e Paulo Portas irão tentar capitalizar o falhanço da "esquerda", mas enganam-se. A esquerda não tem mesmo nada a ver com isto.

5 comentários:

Anónimo disse...

Você está a esquecer-se do Gonçalvismo, das nacionalizações, da "reforma agrária" (eufemismo) e de toda a desgraça semeada pelo PC?

Haja honestidade ou pelo menos memória!

Indique-me uma única democracia comunista?

Tiago R. disse...

Amigo anónimo:
porque fala você em bugalhos quando falei de alhos?

A que propósito é que vem para aqui Vasco Gonçalves? ou será que foi ele o culpado da crise?

Anónimo disse...

Eu poderia explicar, mas para isso era necessário que revisse e se informasse sobre a História de Portugal nos últimos 40 anos. Vai ver que haverá um curto mas brutal contributo da esquerda e da extrema esquerda para o descalabro a que chegamos hoje.

Anónimo disse...

PS: e foi brevíssima a sua passagem pelo poder!

Tiago R. disse...

Isso, insulte a nossa inteligência!

Adorava saber como é que fundamenta a opinião que a actual crise surge em resultado da acção do PCP no Governo há 30 anos atrás...