sexta-feira, 29 de outubro de 2010

tomem lá uma aspirina

Tentanto que o seu indisfarçável acordo com as medidas de austeridade de José Sócrates passe despercebido, o Governo Regional lá anuncia umas medidas paliativas de pequena monta para tentar almofadar a situação social nos Açores.

Os cortes no abono de família atingem milhares de famílias açorianas e as reduções no Rendimento Social de Inserção vão ser na ordem dos 20%. Um rombo monstruoso nos frágeis orçamentos dos mais carenciados. É claro que é positivo que se tente minimizar o impacto dos cortes nas prestações sociais. Mas é hipócrita fazê-lo ao mesmo tempo que se recusa criticá-los. E foi essa a atitude do PS Açores quando recusou a proposta do PCP para que, no Orçamento de Estado (se vier a existir), essas medidas não se concretizassem.

Este é o drama do PS Açores: como manter um ar simpático, vagamente de esquerda, ao mesmo tempo que se empurram os mais pobres dos pobres açorianos para uma miséria ainda mais profunda? Perante a gravidade terminal da doença, o PS Açores acena com aspirinas.

2 comentários:

Anónimo disse...

Á conta do PCP isto ia tudo ao fundo!

Aliás não é a primeira vez que o FMI vem cá por causa das doiduras comunistas.

Tiago R. disse...

Porquê? Estamos muito bem agora, é?

Mas tem razão numa coisa: O FMI existe justamente e apenas para combater qualquer possibilidade de justiça social.