terça-feira, 4 de outubro de 2011

deixai Roma arder

As opções anunciadas pelo Governo Regional para o Plano e Orçamento para 2012 não são propriamente surpreendentes. Embora estejamos em ano pré-eleitoral, César não ia deixar de aproveitar o argumento da crise para apertar o cinto à administração regional.

E, com isso, demonstra a tradicional cegueira ideológica. Num momento em que aumenta o desemprego, o Governo Regional agrava a situação cortando no investimento público. No momento em que as empresas açorianas sentem mais dificuldades, o Governo Regional agrava a situação reduzindo as suas aquisições. No momento em que os agricultores sentem maiores dificuldades em termos do valor e mesmo da colocação dos seus produtos, o Governo Regional agrava a situação cortando em 8% o investimento nesta área. Isto não vai ser um orçamento, apenas mais gasolina na fogueira da crise.

2 comentários:

cefariazores disse...

Cá está um tema onde a diferença ideológica não nos permite concordo.
O problema foi que nos períodos de expansão económica o GRA pouco incentivou o desenvolvimento económico reprodutivo, optou por investimentos à AJJ de obras públicas, algumas apenas por orgulho de mostrar... agora com a crise não tem receitas da economia como devia ter, nem pode investir nas obras porque não tem dinheiro, mas tem a dívida das SCUT que são um monstro em termos de encargos que se avizinham.

Tiago R. disse...

Na análise, não divergimos assim tanto.
Talvez apenas na solução que, na minha óptica, não pode passar por agora pura e simplesmente fechar a torneira a uma economia que é completamente dependente do investimento público.