quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

para que serve uma greve


A adesão à Greve Geral foi, no todo nacional, muito significativa, acabando por superar as expectativas das próprias centrais sindicais. Pode não ter correspondido à inocência política dos sonhos revolucionários de alguns, mas, para aqueles que procuram observar o país com realismo enraizado na realidade, foi o maior protesto do pós-25 de Abril. E, no entanto, foi apenas um primeiro passo numa luta que será certamente longa, como nos ensina o exemplo grego, por exemplo.

Passando ao lado da guerra dos números e do insulto à inteligência que o Governo faz aos portugueses ao afirmar que a adesão não superou os 10%, notou-se ao longo do dia uma cobertura mediática hostil e, em muitos casos, agressiva, visando de forma mais ou menos clara, minimizar a greve. Na TV foram longas e sucessivas as reportagens em que o que foi notícia foi o serviço público que estava a funcionar com um ou dois funcionários e não os milhares de trabalhadores que aderiram à paralisação, mostrando que as televisões privadas, que afinal também são grandes empresas, servem em primeiro lugar os seus privados interesses. 

Nos Açores tivemos uma greve como nunca antes, com muitos serviços e empresas a paralisarem pela primeira vez na sua história. No entanto, a banalização da precariedade laboral, dos contratos a prazo, dos recibos cor-da-esperança, (que se tornaram a regra e não a exceção), prejudicou a adesão a uma greve na qual os trabalhadores generalizadamente se reconhecem, mostrando que ainda há muito medo do patrão e das suas represálias no nosso arquipélago. 

A utilidade de uma Greve Geral é que recoloca a questão do poder numa democracia no seu devido lugar. Perante um protesto que no qual se envolve a maior parte da população que o elegeu, um Governo só tem dois caminhos: ou cumpre essa vontade popular ou perde toda a legitimidade democrática que obteve nas urnas. Agora, a bola está do lado de Passos Coelho.

2 comentários:

Anónimo disse...

Serve para mostrar o poder da esquerda e mostrar os dentes ao sistema capitalista.

De resto nao pode servir para mais nada pois ja nao ha dinheiro no pote. Gastaram tudo.

Tiago R. disse...

O poder da esquerda, não. O poder de um Povo!