segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

a esquerda mata e a esquerda esfola


É que o que o PS e o BE é questionam não é a inconstitucionalidade de cortar subsídios, violando o princípio do direito à remuneração e os direitos adquiridos, o que os motiva é a questão da desigualdade, pelo facto de o corte ser aplicado apenas aos funcionários públicos. Portanto, se fosse aplicado a todos os trabalhadores, não teriam qualquer problema com o OE. Assumem assim ambos que estão de acordo com os cortes salariais em nome da contenção orçamental e que subscrevem a política de empobrecimento dos trabalhadores portugueses e não conseguem entender que a batalha não é jurídica, é política.

O Tribunal Constitucional é um órgão político, com juízes nomeados pelos partidos, já antes decidiu a favor de outros cortes, e não vai agora com certeza contradizer-se. Este pedido, como foi feito, não é só inútil, como é como nocivo, pois vai, em última instância, legitimar o Orçamento. Com uma oposição assim pode Passos Coelho dormir descansado!

O PS, esse, já sabíamos que as suas concepções liberais assentam na desvalorização do trabalho, agora a atitude do BE é novidade e tenho dúvidas que os seus próprios militantes possam concordar com isto. Até onde irá a desorientação do directório de Louçã?

2 comentários:

Anónimo disse...

Pois,a maior parte das pessoas não percebeu nem vai perceber porque é impensável e indefensável esta teoria a não ser para alguém que trabalhe a soldo para o pcp e precise destes malabarismos. Nem o melhor contorcionista conseguia tamanho exercício. A desonestidade é como um cancro incurável, uma vez lá chegada espalha-se e contamina tudo, até a inteligência.

J.

Tiago R. disse...

Caro anónimo:
Porque é que é impensável?
Porque é que é indefensável?
Porque é que me tenta insultar?

Não se percebe lá muito bem o seu argumento?