segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

pedra sobre pedra

Já aqui escrevi que a atual maioria camarária conseguiu, em pouco tempo, destruir todo o trabalho que tinha sido realizado, em diálogo com as outras forças políticas, ao longo dos últimos anos. Muito se disse já sobre as trapalhadas dos empréstimos bancários à conta da Câmara vender a si própria os seus próprios parques de campismo; sobre a dívida aos fornecedores locais que triplicou e contribui ativamente para as dificuldades das empresas e para estimular o desemprego; sobre o orçamento opaco e confuso que o PS aprovou, graças apenas à conivência meio engasgada do PSD, onde uma grande fatia das verbas é classificada somente como “outros”, ou “diversos”, deixando à arbitrariedade e conveniência do Executivo da Câmara usá-las no que muito bem lhe aprouver, longe de qualquer escrutínio ou supervisão. Agora, os frutos desta forma de atuar saíram do papel e estão à vista, tornando-se (mais) uma parte amarga do dia-a-dia dos faialenses.

As recentes modificações à recolha do lixo no concelho são muito mais do que uma opção de gestão ou uma melhoria do uso dos recursos. Reduzir a recolha de resíduos sólidos urbanos para apenas quatro vezes por semana na cidade e para apenas duas nas freguesias rurais, alterar horários e frequência da recolha seletiva, não são medidas para otimizar recursos ou adequar rotas. É, ao contrário, a desarticulação total de um sistema importantíssimo para a vida do concelho!

Não foi por acaso que a Horta se tornou, em anos recentes, dos concelhos do país onde a recolha seletiva de resíduos mais cresceu e onde a quantidade de resíduos para reciclagem por habitante estava muito à frente dos restantes concelhos dos Açores. Foi possível atingir isso porque a atuação camarária tinha a marca de uma gestão competente, responsável e, sobretudo, virada para o estabelecimento de uma relação de colaboração e confiança com os munícipes. Usufruíamos de um sistema de recolha moderno e eficaz mas, em troca, participávamos e envolvíamo-nos nele. Perde-se, passo a passo, um dos termos deste acordo. É a Câmara – não a população – que quebra esse contrato, limitando-se a embolsar a taxa de resíduos enquanto vai cortando no serviço prestado, poupando uns cobres em combustíveis e desviando o pessoal municipal para outras tarefas.

O modelo de sustentabilidade ambiental que estava laboriosamente a ser construído no Faial está a ser completamente desmantelado. E esta questão não pode ser encarada como uma espécie de “luxo” de que se usufrui num momento de maior abundância, para se sacrificar num momento de crise. A necessidade de termos uma ilha capaz de ser um exemplo em termos da sua relação com o meio ambiente está no cerne da nossa capacidade de atrair visitantes, moradores e oportunidades no futuro. Sem isso, nada mais teremos certamente para oferecer.

Mais do que lamentável, a demolição, passo a passo, do percurso penosamente trilhado pela maioria plural, compromete o futuro do Concelho. Não é mais possível manter o silêncio perante a irresponsabilidade de um autarca que, depois de arruinar o município que lhe competia gerir e desenvolver, lança agora as suas vistas, diz-se, para cadeiras mais tranquilas, um pouco mais acima na mesma colina, no Parlamento Regional. Exílio dourado ou incompetência recompensada? Em qualquer um dos casos os problemas e as dificuldades que se agravam ficarão sempre cá mais abaixo, com os faialenses que as têm de sofrer. Iremos permanecer em silêncio até que não reste pedra sobre pedra da Câmara da Horta?

Texto publicado no Jornal Incentivo
27 Fev 2012

2 comentários:

Anónimo disse...

Nao tens, nem ninguém tem que ficar calado. Aliás, o Dr. Luis Bruno, agora mesmo em reuniao de assembleia municipal, colocou a questão sobre a recolha dos resíduos muito bem. Já o tínhamos feito em sede de reunião de CMH e o resultado foi para o jornal com o sr Vice engasgados dizer que era precisa mais informação.
Penso que a questão mais importante nao foi a falta de informação mas sim a má opção de recolha de lixo.

Rosa Dart

Tiago R. disse...

De acordo contigo a 100% Rosa.